Eduardo Marinho – Observar e Absorver

“Nascido numa família de classe média, Eduardo Marinho tinha uma vida confortável e abastada. Ele passou num concurso do Banco do Brasil, depois entrou na escola militar e, finalmente, foi aprovado na faculdade de direito – mas estava profundamente angustiado. Foi então que largou tudo para buscar um sentido para vida. Chegou a morar na rua e dormir em cima de cama de papelão, mas encontrou a felicidade na simplicidade.

Os questionamentos de Eduardo começaram ainda na infância, quando ele foi com sua mãe até uma favela onde ela pagava uma promessa distribuindo comida para os necessitados. O pequeno Eduardo ficou chocado com a miséria que descobriu naquele dia e começou a perguntar por que algumas pessoas deviam viver assim. A sua angústia só aumentava a cada passo da jornada que se seguia: qual o sentido daquele trabalho no Banco do Brasil? Por que ele devia reprimir manifestações populares quando estava no exército? Como os militantes do movimento estudantil não conheciam os pobres de quem eles tanto falavam?

Cheio de dúvidas, Eduardo largou tudo e foi viajar pelo Brasil sem dinheiro e deserdado pela família. No caminho encontrou respostas para muitas de suas dúvidas e adquiriu uma maneira muito particular de enxergar o mundo e buscar uma vida mais justa. Uma maneira baseada mais na emoção que na razão.

Sem dúvidas ele foge dos clichês. A medida que fui assistindo a esse documentário, mais eu fiquei impressionada com algumas reflexões que ele traz à tona. Não é o tipo de pessoa que quer te oferecer uma opinião mastigada esperando que tu aceite aquilo calado e morra ali. Tudo que ele reflete e repassa, te inspira a fazer o mesmo e transmitir isso a outras pessoas. Da importância do que hoje, na nossa sociedade, não é levado como algo importante.

Lembrou-me também do filme In The Wild (trailer), Eduardo Marinho é como se fosse o Christopher McCandless brasileiro.

Você também pode gostar: