Amar é humano

Em todo momento da história da nossa humanidade, as pessoas viveram em momentos recheados de coisas boas e de coisas ruins. Quando o assunto é relacionamento, não é diferente disso. Se pararmos hoje para refletir como as pessoas se relacionavam em gerações anteriores à sua, há inúmeras divergências e também alguns pontos em comum.

Por exemplo, antigamente as pessoas tratavam o compromisso com uma pessoa de maneira mais séria e com todo contexto moralista envolvido. Quem se casasse com você, estaria com você até o seu leito de morte. Atualmente, da noite pro dia o amor da sua vida torna-se um desconhecido – na primeira briguinha ou nos primeiros bad days, tudo vai para os ares. Sendo assim, em período de TPM: não comece nenhuma relação! HAHA

Há casos e casos. Cada pessoa é uma pessoa. Sim, nós bem sabemos disso. Ainda assim dá para se ter uma noção ao analisar o quadro com uma visão geral da coisa. Quando paro pra relembrar dos meus colegas de infância, havia uma grande quantidade de pessoas que cresceram com pais separados. Mas os pais desses pais dos meus colegas, estavam juntos e ainda estão. E os pais dos pais desses pais dos meus colegas provavelmente viveram uma vida inteira juntos até a morte os separar – como se diz nos votos de casamento.

Também não sejamos extremos. Não sou contra o fim. Os fins são necessários tanto quanto os começos. Até porque há uma enorme diferença entre empurrar um relacionamento e fazer ele funcionar para se tornar algo duradouro. De que adianta passar 10 anos ao lado de alguém se os dois estão infeliz? Pra mim, se em um dos lados não está satisfeita e nem quer mais estar ali, acaba, cara! Não tem essa de mimimi. Não suporto escutar aquele típico discurso de metido a bom/boa moço(a): “ain, eu tô com pena de terminar com fulano ou cicrana, vai sofrer com isso”. Não, ela está sofrendo agora e ficará melhor sem ti. Poupe todo mundo!

Você deveria refletir sobre si, talvez. Por estar tão atrelado ao próprio umbigo que fica tentando prender e impedindo alguém de viver e compartilhar as coisas com outro alguém que realmente esteja afim das mesmas coisas que ela. Se você não quer mais estar com a pessoa, quer conhecer coisas novas, tudo bem. Fases. Acontece. Mas deixe ela livre, pois você não ganhará nada com isso. Pelo contrário, não vai conseguir experimentar as coisas que quer completamente já que ao ficar segurando alguém, você também é segurado.

Relacionamentos são vias de mão dupla. É reciprocidade. Estar na mesma página, sim! Não há como fugir disso. Em tempos de liquidez quem tem um amor quente é rei. O amor moderno está diretamente ligado na urgência em que as pessoas querem tudo, toda hora. É tão corriqueiro. Ficam pensando no passado, com medo do futuro e esquecendo do presente. Simplesmente não vivem. E nem muito menos se satisfazem. Todos nós sabemos que ser humano é sinônimo para qualidades, defeitos e um turbilhão de sentimentos e marcas que a vida deixa ao passar do tempo.

Sobretudo, mesmo sabendo, há umas tentativas ridículas e incontáveis em encontrar o par perfeito. Que idealização ridícula! Perfeito? Metade da laranja? Você vai morrer sem ter vivido um dia. E, pior, sem ter vivido um amor de verdade. Se encontrar alguém que te faça sentir paixão, tesão, amor e te faça feliz, fique com ela. Não me venha com essa de que estará perdendo tempo com tantas pessoas que existem por aí para se conhecer. É claro que existe. Mas o que você prefere: viver miseravelmente como um eterno insatisfeito em busca de algo inalcançável ou como alguém que se permitiu para o amor e toda a calmaria que o envolve?

Calmaria, sim. Paixão passa. Passa. Não adianta dizer que não passa. Sabe aquele frio na barriga? Mãos suadas? Coração palpitando? É tudo novo! Uma maravilha esse combo de sensações quando estamos a conhecer alguém, né. Só que se está achando que precisa encontrar alguém que em todo momento que estiverem juntos, mesmo se for por anos, em todos os dias você sentirá isso eu preciso te contar uma coisa: não vai. Porque isso não existe. Ninguém iria aguentar. A paixão é como uma fogueira enorme de São João, com aquele calor e aquela chama enorme. Já o amor é aquela brisa leve durante o ano inteiro.

Entende a diferença? Agora entenda outra coisa, você é imperfeito. O outro também será. Aprenda a reconhecer todos os lados da pessoa que está contigo com esse pensamento em mente: ela é humana. Vai errar. Vai acertar. Vai ter dias bons e ruins. Vai ter vitórias e derrotas. Tem sentimentos. Sente muito assim como eu e qualquer outra. E que se até em contos de fadas as pessoas são falhas, na realidade a proporção é ainda maior.

Aceita que dói menos.

Você também pode gostar: