Amórfica

mal abriu os olhos
era hora de fechar
vida mal começa
tem que acabar

dor comanda
serotonina inibida
nada funciona
amórfica

corpo esvai
parte do ciclo
enquanto lembrai
não é esquecido

alma ramifica
falta em cada canto
a cadeira está vazia
peito cheio de sinto

tanto
e tudo

assinaturaaaa

Continue Reading

Eduardo Marinho – Observar e Absorver

“Nascido numa família de classe média, Eduardo Marinho tinha uma vida confortável e abastada. Ele passou num concurso do Banco do Brasil, depois entrou na escola militar e, finalmente, foi aprovado na faculdade de direito – mas estava profundamente angustiado. Foi então que largou tudo para buscar um sentido para vida. Chegou a morar na rua e dormir em cima de cama de papelão, mas encontrou a felicidade na simplicidade.

Os questionamentos de Eduardo começaram ainda na infância, quando ele foi com sua mãe até uma favela onde ela pagava uma promessa distribuindo comida para os necessitados. O pequeno Eduardo ficou chocado com a miséria que descobriu naquele dia e começou a perguntar por que algumas pessoas deviam viver assim. A sua angústia só aumentava a cada passo da jornada que se seguia: qual o sentido daquele trabalho no Banco do Brasil? Por que ele devia reprimir manifestações populares quando estava no exército? Como os militantes do movimento estudantil não conheciam os pobres de quem eles tanto falavam?

Cheio de dúvidas, Eduardo largou tudo e foi viajar pelo Brasil sem dinheiro e deserdado pela família. No caminho encontrou respostas para muitas de suas dúvidas e adquiriu uma maneira muito particular de enxergar o mundo e buscar uma vida mais justa. Uma maneira baseada mais na emoção que na razão.

Sem dúvidas ele foge dos clichês. A medida que fui assistindo a esse documentário, mais eu fiquei impressionada com algumas reflexões que ele traz à tona. Não é o tipo de pessoa que quer te oferecer uma opinião mastigada esperando que tu aceite aquilo calado e morra ali. Tudo que ele reflete e repassa, te inspira a fazer o mesmo e transmitir isso a outras pessoas. Da importância do que hoje, na nossa sociedade, não é levado como algo importante.

Lembrou-me também do filme In The Wild (trailer), Eduardo Marinho é como se fosse o Christopher McCandless brasileiro.

Continue Reading

Solteiro? Namorando? Livre!

Vi uma página compartilhando um post sobre uma lista de motivos pelos quais ser solteiro (a) é melhor do que namorar e diante do que li resolvi comentar o que eu acho sobre alguns deles – ressaltando que eu não concordo que um seja melhor que o outro, isso tudo é bastante relativo quanto a como você está se sentindo naquele momento da sua vida.

  • NÃO TER DR’S, NÃO TER QUE DAR SATISFAÇÃO E NÃO SE INCOMODAR COM NADA ALÉM DOS PRÓPRIOS PROBLEMAS

Uma das coisas que mais escuto sobre quem tá solteiro é isso: não discutir a relação. Eu não sei bem qual conceito disso que as pessoas têm, mas pra mim é uma das melhores em se relacionar. Até no sentido ruim da coisa, sim. E você não precisa estar num relacionamento sério para sentir necessidade de falar a respeito do que se tem com uma outra pessoa – seja lá o que for. Se há uma relação, conversar sobre deve fazer parte da vida de vocês. Não precisa ser necessariamente por algo ruim ter acontecido ou incomodar. Se ninguém disser o que tá sentindo por dentro ou com isso, como irão saber que estão “na mesma página”? Não tem como. É inevitável. Então vamos parar de problematizar algo que serve para otimizar as relações que temos com as pessoas que estão em nossas vidas.

Hoje em dia os relacionamentos estão cada vez mais doentes. Uns querendo controlar até a respiração dos outros. Não há confiança. Não há respeito. E aí ao falar de relacionamento sério, isso de você ser “obrigado a dar satisfação” para a outra pessoa vem como se fizesse parte do pacote sem escapatória. Só se incomodar com os próprios problemas? É tão ridículo e sem noção que nem sei se valem todos estes caracteres, mas vamos lá! Quando você se envolve e escolhe estar ao lado de uma pessoa, é claro que consiste em compartilhar a sua vida, os seus pensamentos/medos/sonhos/expectativas etc, mas sem perder a individualidade de cada. Problemas dos outros, nós tomamos conhecimento o tempo inteiro. Para se livrar disso? Vá para uma ilha deserta. Relacionamento saudável não afeta a tua privacidade e nem quer te controlar. Isso é mal de gente inseguro que cobra do outro o que falta em si.

Em contrapartida, requer uma dedicação para com aquilo que está sendo construído ao passar do tempo. Das vezes que me relacionei sério com alguém, jamais permiti que eu me sentisse obrigada a algo. Isso passaria longe de ser bom para mim e, consequentemente, para a vida a dois. As coisas devem fluir naturalmente, sem tanta cobrança e controle como costumam atrelar à ideia de assumir um compromisso.

  • PODEMOS TRANSAR COM QUANTAS PESSOAS QUEREMOS SEM PESO NA CONSCIÊNCIA EM ESTAR TRAINDO

Sério que isso é um argumento? Óbvio que você solteiro pode sair transando até com uma parede se quiser. Novamente: namoro é uma escolha – estar solteiro também. Dentre todas as pessoas, você escolher se envolver e se dedicar somente àquela. E se você optou por isso, por que diabos vai jogar tudo pro alto e trair na primeira oportunidade? Isso que eu não entendo ou aceito. Quer ficar com outro alguém? Fica, mas antes seja honesto com a pessoa que está com você. Termine numa boa e depois pode fazer o que quiser. A partir do momento que você namora e está olhando para o lado o tempo inteiro, é o maior sinal de falta de compromisso que se pode ter. Ama a pessoa? Quer o bem dela? Melhor ato de demonstrar isso vai ser não atrapalhar ela em ser feliz com quem estará olhando para frente sem soltar as suas mãos pela primeira oportunidade que houver.

  • LIBERDADE!

Certamente quem escreveu esse post teve várias experiências ruins para chegar a esta conclusão argumentativa. Devo dizer, já cheguei a pensar assim. Que um relacionamento te prendia e estar solteiro era sinônimo de liberdade. Até eu refletir e aprender que a tua liberdade só estará em falta se você permitir. Não perco a minha liberdade no sentido de abrir mão de tudo, às vezes, até de mim mesma por alguém. Liberdade pra mim é eu saber que a minha vida continua sendo minha. E que eu estou compartilhando, mas não oferecendo a alguém o poder de fazer dela o que bem entender. Isso não é estar preso, é não ter amor próprio. Ser livre é não ter medo de viver.

“Eu sou livre. Tu és livre. Viva a livraria”

Liberdade é não ter amarras que te impeçam de voar para onde quiser.
Estar solteiro é saber que não é preciso nada além das próprias asas para tal.
Namorar é voar ao lado de uma pessoa que te impulsione para ir cada vez mais alto.

Continue Reading

[texto] Rafael Magalhães

Certa vez conheci uma mulher na balada. Vestido curto, tatuagem no ombro, batom vermelho e o copo de bebida na mão. Sabe aquele olhar de mulher safada? Aquela que você olha e já sabe bem o que ela veio fazer ali. Essa tinha exatamente esse olhar, o que para mim era perfeito, já que eu havia saído de casa naquela noite com o mesmo objetivo. Formulei algo engraçado para dizer na primeira abordagem. Ela sorriu. Conversamos por alguns minutos até que veio o convite para dançar. Mal sabia ela que eu era simplesmente irresistível nesse quesito. Depois de um ou dois copos aconteceu então o primeiro beijo. E que beijo! Tem gente que beija com a intensidade de quem faz compras de verduras no supermercado. Já outros são como um adolescente escolhendo o seu primeiro carro. Definitivamente ela era desse segundo grupo. Acreditem em mim, o beijo foi surreal. Daqueles com direito a mordida no lábio, puxão de cabelo, mão por dentro da camisa e lambida na orelha. De duas uma: ou eu era naquela noite o homem mais gostoso do universo ou aquela mulher tinha bebido o triplo do que eu bebi na minha vida inteira. Foi impossível parar de beijá-la durante toda a noite. Quando fui deixá-la em casa e me perguntou se gostaria de entrar eu não pensei duas vezes. Sim, foi sexo no primeiro encontro. A melhor noite de sexo da minha vida. Foi aí que descobri que o forte dela não era o beijo. Haviam habilidades ainda maiores. O sol chegou e nós ainda não tínhamos dormido. A vida correndo lá fora e eu ali ofegante, com aquela estranha deitada em meus braços. Antes de me despedir trocamos números de celular por mera formalidade. Todo mundo sabe que casais que vão para cama no primeiro encontro não tem como darem certo. Sabe, talvez se tivéssemos ido mais devagar as coisas poderiam ter sido diferentes. Quem sabe? Muitos anos já se passaram e aquela noite ainda não saiu da minha cabeça. Curioso como algumas pessoas passam pela nossa vida e nem se dão conta de que deixaram marcas profundas. Eu nunca mais vi a minha professora do primário, nem a minha namoradinha do curso de inglês, mas, a mulher que conheci naquela noite, nunca mais saiu da minha mente. Agora mesmo ela está ali na cozinha, preparando a lancheira que o nosso filho caçula leva para a escola. Depois vai vir aqui no escritório me dar um beijo igual àquele que ganhei na boate tempos atrás. De noite repetiremos mais uma vez nosso sexo selvagem. Não é de se espantar? A moça do vestido curto se tornou a mulher da minha vida. Eu não sei bem como vai acontecer com você. Se vai conhecer seu grande amor na fila do pão, na sua festa de formatura ou no acampamento da igreja. Eu não sei se vão se beijar no primeiro encontro ou se farão sexo só depois do casamento. O que eu sei é que não existe regra para tudo isso dar certo. Vejam vocês a minha história. A mãe dos meus filhos gosta de beber, tem tatuagem e é uma depravada na cama. Ao mesmo é uma mãe incrível e um esposa fiel, carinhosa e companheira. Nossa sociedade é mesmo repleta de normas e rótulos, felizmente a maioria deles não funciona o tempo todo.


Rafael Magalhães

Continue Reading

Só ria

Quando eu era criança, fiz uma redação inúmeras vezes mesmo a minha mãe dizendo que estava boa. Fiz e refiz até quando eu li e disse a mim mesma: Agora sim! No outro dia, ao ler, fui acusada de ter pedido para um adulto fazê-la. Senti-me profundamente ofendida e envergonhada, mesmo sabendo que aquilo não era verdade, mas pela situação. Porque sempre fui ensinada a assumir os meus atos, sejam eles bons ou ruins. Era a primeira a chegar em casa e contar. Anos depois, voltei a usar o papel e foi a melhor coisa que fiz por mim na vida. Cada pessoa tem algumas coisas que simbolizam o que chamamos de válvulas de escape – uma forma de sair duma situação turbulenta ou ruim. Pode ser o ombro amigo, clima familiar, a birita ou um  cafuné, até. Sempre fui do tipo que me isolava, pegava meu lápis e uma folha. Há pouco, muitas coisas têm acontecido na minha cidade, na minha família e, consequentemente, na minha vida. Hoje parei, sentei, coloquei uma MPB de leve e resolvi pôr no papel um pouco a respeito. Pessoas. Pessoas pedindo um socorro – aparentemente silencioso, até não aguentarem mais. Pessoas deixando uma mistura de impotência e revolta em seus entes e amados – até desconhecidos – por não estarem entre nós devido à imprudência e irresponsabilidade alheia. Pessoas indo da mesma maneira que quem eu amo já foi. Pessoas indo aos poucos e sem motivo nenhum aparente. Nós não costumamos interpretar assim, o ponto é: estamos vivos. Devemos aproveitar este fato da melhor maneira possível. Nem sempre o tempo é nosso amigo. Sempre quando me perguntam qual é o meu medo, agora mais do que nunca eu respondo: perda. Não só para a morte. Para a vida também. Sabe? Quando alguém está ali, mas por dentro está indo aos poucos e quando a gente menos perceber, já foi. Medo de perder gente que é importante pra gente. Medo de perder um último abraço. Medo de perder um último “eu te amo”. Medo de perder um amor. Medo de perder um sorriso. Medo de perder tudo. Medo de se perder. Pois, acreditem, não há nada mais terrível do que você querer tanto uma coisa e não poder mais ter. E fica um vazio. O vazio também preenche. Ficamos cheios de nos sentirmos vazios. Os dias ficam cinzas. As semanas passam, sem graça. Mas cá ficamos persistindo e falando para si: basta rir que passa.

Continue Reading

Uma garota, 15 vozes – Yanina Chiesa

SETLIST

1 Amy Winehouse – You know i’m no good
2 Ariana Grande – Dangerous Woman; Bang Bang
3 Shakira – Waka Waka (This time for Africa)
4 Britney – Everytime
5 Christina Aguilera – Something’s got a hold on me
6 Ellie Goulding – Love me like you do
7 Sia – Alive
8 Jasmine Thompson – Ain’t nobody
9 Celine Dion – The Power of Love
10 Avril Lavigne – Happy ending
11 Christina Perri – Human
12 Taylor Swift – 22
13 Adele – When we were young
14 Selena Gomez – Hands to myself
15 Katy Perry – Dark horse

Continue Reading