A luta

Nunca soube ao certo informações a cerca da expressão “luto” até passar por isso – e inclusive saber, que há vários tipos, não só de ao perder alguém -, mas sempre acreditei que faz total sentido. De fato, é uma luta. Nós lutamos. Com o mundo, com o que acreditamos, com a saudade, com a realidade, com todos e, principalmente, com nós mesmos. E é difícil.

Continue Reading

Ostentar

Minha ostentação
É estar contigo
Pro meu coração
Fazer de ti abrigo

Isso é o que preciso
De nós não vou partir
Estamparei o sorriso
Mais bobo que existir

Dar-te-ei o meu amor
Ao seu lado serei feliz
Quantas vezes preciso for
Nem que seja por um triz

Nesses encontros
Teu encanto me afetou
Me perco em cantos
Te levo para aonde vou

Quando se quer, meu bem
Distâncias são relativas
E a saudade também
Cessaremos as partidas

E assim calados
Amaremos
Sem casos
Tão bem

Continue Reading

 

sob a lua na madrugada
corpo quente, cama fria
mente grita, boca calada
peito cheio: de sentimentos e
duma vida vazia

frente a tudo, via-se cansada
do que mal chegava, partia
descobriu-se ali, mal amada
amava todos, menos ao que
no espelho refletia

Continue Reading

nota a alguém

 

cérebro troca de lugar com coração
uma bagunça, verdadeira confusão
ninguém sabe diferenciar
o sentir da razão, fico então a pensar
em como conseguir evitar
me entregar ao agridoce
pois até minha cabeça
afirma meu pertencer
ao seu lado é meu lar
eu amo você

Continue Reading

DOIS EM NÓS

portrasdabarba

Encontros e encantos
Estáticos e espantos
Encontre em antros
Estão todos prontos
Sem hora marcada, sem ter planejado
Nossos caminhos foram cruzados
É o destino com seu cuidado
Transformando dois em nós


Feito em parceria com o querido Leandro Tavares.

Continue Reading

A Flor

Bom, acho que a última coisa que importa aqui e agora é o meu nome. Mas de antemão, devo confessar que sou uma das pessoas mais confusas do mundo. Com certeza, se existisse um top 10 sobre isso, o meu nome estaria lá no topo. Sempre foi assim. Quando se trata sobre decidir o que é melhor pra mim, meu cérebro para de raciocinar, e olha, faço isso costumeiramente para outras pessoas. Tenho 17 anos, muito bem vividos por sinal, posso dizer que já passei por tudo ou por quase tudo que uma garota da minha idade poderia ter passado. Já me apaixonei por um melhor amigo, que no fim não se mostrou ser o que eu idealizei que ele fosse – e tá aí o meu maior defeito, idealizar as pessoas. Um dia eu paro. Mais uma promessa pra ser cumprida daqui pro final da vida. Também já fiz alguém se apaixonar por mim, sem ter a intenção de amá-lo, e juro, juradinho, que me arrependo muito por isso e sempre que isso vem à tona, fico mal. Nunca fui daquelas que fazem questão de ter a vida exposta, nunca fiz a “olha, eu estou sofrendo, por favor, sinta pena de mim” desde bem pequena, gostava mesmo resolver minhas coisas por mim, – na maioria das vezes, só bagunçava mais – aprendi muito com isso. Eu e o meu caos, sempre tão unidos, sempre nos complementando. E quanto a isso, acredito que tenho alguma doença grave. Hoje, prefiro o meu caos do que uma bela calmaria. O caos sempre me rendeu mais, sempre me trouxe mais. Faz mais ou menos seis meses, prefiro não lembrar o dia exato e nem o motivo, não gosto de ficar me martirizando, me culpando por algo que não tive como controlar, mas eu sei que faz mais ou menos esse tempo. Decidi sair do piloto automático e dar o rumo que seria necessário na minha vida. Aproveitei que estava saindo da escola e deixei toda, ou quase toda, minha vida antiga para trás. Inclusive meu ex-namorado, aquele que me fez muito feliz por quase dois anos. Porém, que já não era mais o mesmo – vai ver eu que não era a mesma – fácil não foi, e nunca vai ser quando se trata de seguir em frente deixando alguém pra trás. É como dizem, sobrevivência. Uma vida toda entre um ou outro relacionamento. Entre uma ou outra decepção. Já estava mais do que na hora de ser atriz principal da minha trama, e que trama! Me conhecer, saber o que eu gosto, de como eu gosto. Há quem diga eu agi errado, porém, eu sei o bem que me fiz. O começo foi árduo, e até hoje é. Ainda sinto vontade de voltar, de me desculpar por um erro que não foi meu e dizer que eu aceito ele assim. Consigo prever que não vale a pena. Como Stenphen Chbosky disse, em “As Vantagens De Ser Invisível”: A gente aceita o amor que acha que merece. Certamente, eu mereço mais. Quando me perguntam sobre minha vida amorosa, uma incógnita se forma em meus pensamentos e devaneios se formam aos poucos, vão dando espaço para uma certeza: o meu tempo do eu sozinho não acabou. Deixe que dure o tempo que precisar. Um dia a flor que guardo em meu peito volta a desabrochar.


M.

Continue Reading

Utopia

 

Sem ver eu sinto sua presença enquanto conversamos. Toque acidental da sua pele. Escuto o seu coração bater. O meu está batendo com o seu, como se fossem um. Respiro quando você respira.
Respiração a respiração, batimento por batimento…
Faz tudo de forma simples num mundo louco.
Eu estou tentando encontrar as palavras para dizer: Você deixa tudo bem apenas por estar por perto. 
Querido… Você me faz querer dançar e cantar. Beijar seus lábios quentes – de dor e de amor.

Continue Reading

Game over

 

Dos pés à cabeça os teus sinais me confundem. Você quer brincar ou amar? Essa é a pergunta que me tira do sério e sono. Entre tantas outras. Devo confessar, sou uma péssima pessoa para confiar em outra facilmente. Desconfio, por que não deveria? Tente receber tapas da vida na cara para ver se acreditará em alguém sem nem conhecê-lo direito. Entretanto, este não é o ponto por aqui. A medida que fui te conhecendo, vi-me entregando meus sonhos, meus problemas, minhas alegrias diárias entre tantas outras coisas importantes. Simplesmente confiei. Fechei os olhos para qualquer suspeita. Você transmitia isso. Encantou-me. Como quebrá-lo? Eis aqui mais uma questão, senão a principal. Quando alguém te faz se sentir em paz com uma simples conversa, acredite: este é importante. Com nossas conversas, pegava-me sonhando acordada, possíveis momentos juntos e a sós. Primeiro encontro e beijo, talvez. Parecia aquelas paixonites que a gente sente quando começa a florescer interesse em se relacionar com alguém, sabe? Algo tão inocente, doce, limpo. Infelizmente, haviam empecilhos. Não podíamos ficar juntos. Estávamos destinados a ficar na vontade sem realizá-la nunca? Torcia para que tudo de negativo fosse efêmero e logo mais estaríamos sorrindo dessa bagunça toda. Felizes. É disso que a gente precisa. Gente precisa de gente – ao lado! Os dias foram passando. As semanas foram passando. Então a contagem ficou em meses. Com o tempo as pedras em nosso caminho foram retiradas delicadamente. Não era necessário esforço. Estrada ficara livre e propícia ao nosso encontro. Estava disposta a permitir-me sentir.  Amor. Saudade. Afeto. Carinho. Tudo com você.  Não precisava de mais nada. Senti-me olhada do jeito certo e a partir disso, era o necessário e suficiente. Era um jogo de sedução meio torto e o vencedor seria: NÓS. Pensei em desistir inúmeras vezes, mas sempre que tentava fugir parecia que ficava ainda mais envolvida. Não havia nada que pudesse nos impedir de vencê-lo. Amor é plural. E quem ama, vira dois. O ruim de jogar sem saber como funciona é que podemos ser facilmente confundidos. Jogamos juntos, passei a jogar comigo mesma e ainda perdi – enquanto você já estava jogando com outra parceira.

Continue Reading